A Retórica de Artigos Científicos

A Retórica de Artigos Científicos

Minha foto

Professor Livre Docente em Cardiologia – UFBA

http://medicinabaseadaemevidencias.blogspot.com/2011/07/retorica-de-artigos-cientificos.html

rhetoricdiagram2.png
Com relativa freqüência, alunos da graduação me perguntam como podemos saber se os dados de um artigo são verídicos. Na verdade, a medicina baseada em evidências não possui ferramentas investigativas a fim de detectar o crime de fraude. Portanto, isto não cabe aos leitores do artigo. A premissa básica é a da honestidade, este é um pressuposto do código de honra científico. Ainda bem que é assim, pois seria caótico se a cada artigo publicado, ficássemos nos questionando se o autor é honesto ou fraudulento. E de fato acredito que a grande maioria das evidências publicadas não contém fraudes grandes, das que modificam substancialmente a interpretação científica. Seria um risco muito grande para o cientista, risco de terminar sua carreira se for descoberto.

Por outro lado, vivo falando que precisamos ser céticos, pois os o mundo está repleto de conflitos de interesse. Desde que declarados, ter conflitos não é uma desonestidade (não obstante, a linha é tênue), mas cabe aos que interpretam as evidências serem capazes de perceber tendenciosidades. Estas tendenciosidades podem estar presentes desde o planejamento do estudo, cujo desenho pode favorecer ao resultado de interesse. Por exemplo, a dosagem utilizada de um novo antibiótico em um ensaio clínico pode ser comparativamente superior à dosagem administrada do antibiótico usual. Outra opção de desenho de estudo tendencioso é escolher uma definição do desfecho primário voltada para uma maior probabilidade de benefício da terapia de interesse, mesmo que esse desfecho não seja o mais importante. E assim por diante.

Uma vez o estudo realizado, a forma de tendenciosidade mais freqüente é a retórica. No dicionário Wikipédia, retórica é a arte de usar a linguagem para comunicar de forma persuasiva. Neste contexto, foi recentemente publicado no Archives of Internal Medicine um interessante e reflexivo artigo, intitulado Rhetorical Techniques Used in the Reporting of Cardiac Resynchronization Trials. Sabemos que a ressincronização cardíaca é comprovadamente benéfica em pacientes com disfunção sistólica do ventrículo esquerdo de grau severo e bloqueio de ramo esquerdo com duração do QRS ≥ 150 ms. Mesmo assim, o estudo nos mostra que os artigos são escritos de forma a supervalorizar a terapia ou induzir o benefício em subgrupos em que este não existe. Os autores revisaram 10 ensaios clínicos randomizados e sinais de retórica foram observados em todos os trabalhos, tais como:

1) Em 80% dos estudos, o resumo não mencionava avaliação do malefício (complicações), apenas o benefício.

2) Em 90% dos estudos, o objetivo não mencionava avaliação de segurança da terapia, como se fosse garantido que não haveria complicações.

3) Em 70% dos estudos, a fundamentação escrita na introdução só trazia racional para o benefício, não demonstrando nenhum dado de plausibilidade para malefício, como se não houvesse dúvida do resultado que viria a ser demonstrado pelo artigo.

4) Em 20% dos estudos, foram utilizadas apenas medidas relativas de associação, ao invés de medida absoluta (risco absoluto), a qual fornece verdadeira magnitude do benefício.

5) Em 80% dos estudos, as complicações provenientes dos implantes não foram relatadas.

6) Na discussão, limitações dos trabalhos não foram mencionadas em 40% dos trabalhos.

7) Nenhum estudo continha análise de risco/benefício.

8) Nenhum estudo discutiu a validade externa dos dados apresentados.

9) Em 40% dos trabalhos, o resultado referente ao desfecho primário foi negativo, mesmo assim concluíram que a terapia deveria ser utilizada na prática clínica.

Esta análise serve para nos mostrar que mesmo na ausência de fraude, um estudo pode ser escrito de forma que os leitores sejam convencidos de uma idéia algo distorcida em relação à realidade.

Isto ocorre em artigos, mas também em situações menos formais, tais como palestras. É assim que funciona, o conflito de interesse não faz com que palestrante minta durante sua apresentação, mas faz com que ele utilize da retórica de uma forma mais tendenciosa do que se não houvesse conflito de interesse. Seja um processo consciente ou inconsciente. Portanto, cuidado com o que lêem ou ouvem.

Então, onde está a solução? A solução está nos médicos desenvolverem a habilidade para analisar criticamente a literatura, possuindo opinião própria em relação aos assuntos, ficando assim isentos da influência velada dos formadores de opinião com conflitos de interesse. Quando isto acontecer, estes formadores de opinião perderão a utilidade.
http://medicinabaseadaemevidencias.blogspot.com/

neurocirurgiabr

Neurosurgery from Brazil.To provide neurosurgeouns with the most timely comprehensive and relevant clinical information to improve patient care; we offer a web site where patients can view our patient-level information for free

You may also like...

Leave a Reply

%d bloggers like this: